Política industrial só gera inflação ao consumidor? Não.

O texto abaixo é um excerto do Relatório sobre as manufaturas de Alexander Hamilton, secretário do Tesouro dos Estados Unidos.

Alexander Hamilton*

Falta ainda mencionar uma das objeções feitas ao fomento das manufaturas, de natureza diferente das que questionam suas possibilidades de êxito: ela se deriva da suposta tendência das manufaturas a conceder um monopólio de benefícios a certas classes em detrimento do restante da comunidade, a qual, alega-se, poderia adquirir em melhores preços os artigos de que necessita de estrangeiros, antes que dos nossos próprios cidadãos. Estas, diz-se, ficam reduzidas à necessidade de pagar um preço maior por tudo o que desejem, devido a qualquer medida que obstrua a livre competição das mercadorias forâneas.

Não deixa de ser razoável supor que as medidas que obstaculizam a livre competição de artigos estrangeiros tendem a fazer aumento dos preços – e não se pode negar que, em muitos casos, este seja o resultado -, mas a realidade nem sempre corresponde à teoria. Em muitos casos uma redução de preços se seguiu imediatamente ao estabelecimento de manufaturas nacionais. Seja porque as manufaturas estrangeiras se esforçam por deslocar as nossas, baixando os preços ou qualquer outra causa, este tem sido o efeito, o oposto que se esperaria.

Entretanto, ainda que fosse correto que o aumento dos preços constituísse um efeito imediato, e seguro da fixação de limites à competição entre os produtos nacionais e os estrangeiros, é universalmente certo que o efeito ulterior do êxito de qualquer manufatura é o oposto. Quando uma manufatura nacional chega à sua perfeição e emprega um grande número de pessoas, invariavelmente os preços caem. Livre dos pesados encargos acarretados pela importação de bens estrangeiros, gradativamente, pode-se vender mais barato que o artigo estrangeiro que substitui – e raras vezes ou nunca deixa de fazê-lo – A competição interna que passa a ocorrer, prontamente, reduz o preço do artigo ao mínimo razoável acima do capital investido. Isto concorda tanto com a razão quanto com a experiência.

[…] Do ponto de vista nacional, o aumento temporário do preços será sempre compensado pela sua redução permanente.


*Alexander Hamilton foi secretário do Tesouro dos Estados Unidos da América.

Anúncios

Uma resposta em “Política industrial só gera inflação ao consumidor? Não.

  1. Pingback: Hamilton e a tradição protecionista dos EUA - Paulo Gala/ Economia & Finanças

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s