Escola Austríaca

Abaixo possíveis respostas a escola austríaca por tema:

  • Teoria Austríaca da Inflação:

Crítica a teoria austríaca da Inflação – Parte 1

Crítica a teoria austríaca da inflação – Parte 2

Alegação: Aumento de oferta de moeda sempre causa inflação de preços.

Mises contradiz Rothbard acerca da inflação.

O que os austríacos não contam sobre inflação?

  • Sobre desigualdade econômica.

Alegação: A pobreza é um problema, não a desigualdade.

Alegação: A inflação causada pelas transferências de renda cancelam seu efeito.

  • Os mercados nunca falham/ Lei de Say:

A lei de Say pressupõe agregados macroeconômicos.

Jean-Baptiste Say reconhecia os limites da lei de Say.

Argumentos contra a lei de Say – Parte 1.

Argumentos contra a lei de Say – Parte 2.

  • Comércio internacional:

Alegação: O comércio com os países ricos é sempre benéfico para os países pobres.

Alegação: O livre-mercado é sempre mutuamente benéfico.

Alegação: Sou a favor da globalização, mas não do globalismo.

  • Ciclo econômico/TACE:

Alegação: O boom-bust é criado pelas reservas fracionárias.

A TACE não explica a crise de 2008.

Alegação: A crise de 2008 foi culpa do Estado/FED.

Alegação: A HIF de Misnky é igual a TACE na explicação da crise de 2008.

Não existe taxa natural de juros.

Outro erro sobre a taxa de juros.

Alegação: A intervenção do Estado só piora as crises – Parte 1.

Alegação: A intervenção do Estado só piora as crises – Parte 2.

  • O “intervencionismo” sempre leva ao socialismo.

Contradição de Mises sobre intervenção do Estado.

Alegação: Não existe terceira via – Ou é liberalismo ou o intervencionismo levará ao socialismo.

Sobre o cálculo econômico no socialismo.

  • Só o Estado cria monopólios/não existe concorrência imperfeita.

Alegação: Mecanismos anti-truste criam cartéis ao invés de destruí-los.

Alegação: Só o Estado cria monopólios.

O prejuízo que os cartéis causam ao consumidor.

  • Crise de 29

A inação do Estado e não sua intervenção causou a crise de 29.

O monetarismo refuta a Escola Austríaca.

  • Críticas a praxeologia

A praxeologia é uma filosofia anti-cristã.

Alegação: Conclusões praxeológicas estão sempre certas.

  • Contra os anarcocapitalistas

Crítica a Rothbard – A ética da liberdade.

Não é possível ser católico e anarcocapitalista.

Alegação: Santo Tomás de Aquino era libertário – ou Contra Jeffrey Tucker.

Alegação: O Free Banking não criaria crises de boom and bust.

Hoppe faz espantalho do método científico.

  • Sobre o sistema de reservas fracionárias

Alegação: Reserva fracionária é roubo e uma degeneração do sistema de crédito.

As reservas fracionárias são um contrato de mútuo.

O microcrédito não é uma ameaça aos grandes bancos.

  • Teoria monetária

Alegação: A moeda é uma mercadoria com um preço de mercado como qualquer outra.

A teoria monetária austríaca é contraditória

  • Recomendações econômicas falhas dos austríacos.

Argentina: Como as medidas propostas pela Escola Austríaca agravaram a crise.

Alegação: Imposto progressivo provoca fuga de capital.

Alegação: Abertura unilateral de mercado faz o país que abre seu mercado ter vantagem sobre os demais protecionistas.

Previsões falhas de Peter Schiff.

  • Erros históricos dos austríacos.

Alegação: Os escolásticos de Salamanca são avós da Escola Austríaca

Alegação: Os escolásticos de Salamanca eram libertários.

Alegação: O socialismo derrubou o Império Romano.

Alegação: Os EUA se desenvolveram graças ao estado mínimo.

Alegação: O Brasil é um país socialista por ter empresas estatais.

Alegação: A depressão de 1921 foi rápida porque o Estado não interviu.

Alegação: Os conservadores do Império do Brasil eram liberais econômicos.

  • Câmbio

Alegação: Política cambial só gera inflação e prejudica a indústria.

Política cambial aumenta a produtividade.

  • Indústria

Alegação: Vivemos uma era pós-industrial: ou a indústria não é importante.

Alegação: Política industrial (protecionismo industrial) só gera inflação.

Alegação: A Austrália prova de que um país não precisa ter muita indústria para ser desenvolvido.

  • Austro-olavismo

Resposta ao conceito de meta-capitalismo.

  • Outros erros.

Alegação: Distributismo com estado é socialismo.

Liberalismo/Libertarianismo é compatível com o catolicismo – Parte 1 .

Liberalismo/Libertarianismo é compatível com o catolicismo – Parte 2

Alegação: Países com Estado mínimo tem maior qualidade de vida e menos corrupção.

  • Respostas a outros tipos de liberais:

Alegação: Os países europeus crescem menos que os EUA devido ao welfare state.

Alegação: Abertura econômica e instituições e não política industrial desenvolvem um país.

Conceito de incerteza.

Anúncios