A estupidez bolsonarista na questão amazônica.

Arthur Rizzi*

Começo o artigo com uma pergunta: “Você acha mesmo que Trump nunca sairá do poder? Que os democratas jamais retornarão à presidência dos Estados Unidos?“. Se você acha, você é um idiota.

Essa aliança automática com os Estados Unidos ainda levará o Brasil a ficar de joelhos para algum apaniguado dos Clintons ou para o Bernie Sanders. E a questão é simples: a diferença entre o globalismo (internacionalismo democrata) e o imperialismo republicano é apenas de espécie. Democratas e republicanos querem apenas redfinir, cada uma  seu modo, o papel que os Estados Unidos desempenham na ordem liberal global. Os democratas defendem o modelo instaurado em 1945 com os Estados Unidos dividindo o poder e as decisões de modo colegiado com organismos internacionais como a ONU, a OTAN, o FMI e a União Européia. Do outro lado temos os republicanos, mais nacionalistas que querem que a ordem internacional do “mundo livre” se volte para um arranjo que atenda mais diretamente aos interesses geoestratégicos dos Estados Unidos. Portanto, com Trump (e nisso ele não difere tanto dos seus predecessores republicanos), os Estados Unidos querem redefinir o sistema global de modo devolver o protagonismo ao seu país nas decisões internacionais, mesmo que às custas de humilhar a Europa Ocidental seus parceiros históricos.

Ou vocês acham mesmo que a briga EUA vs. UE em que Bolsonaro se meteu é realmente uma briga real?

É particularmente estúpido acreditar, como bolsonaristas fazem crer, que a Europa de Macron representa o “globalismo” e os Estados Unidos o “anti-globalismo”. Se a Rússia invadisse a Europa Ocidental imediatamente os Estados Unidos declararia guerra a Rússia, pois a União Européia é um domínio importante do poder imperial americano, e os europeus sabem que o único aliado com quem podem certamente contar são os americanos.

Portanto, o que está acontecendo na questão amazônica é que o Brasil é globalista e apoia o globalismo, contanto que ele seja conduzido pelos Estados Unidos única e exclusivamente, atendendo aos interesses americanos. Ou seja, as ONGs e empresas européias “explorarem” o subsolo amazônico é globalismo. As ONGs e empresas americanas não são. É tão simplista e ridículo que nem vale a pena comentar mais a fundo sobre isso.

Agora, para concluir, pergunto aos gênios: Quando os democratas voltarem ao poder e fizerem as pazes com “os globalistas europeus”, o que vocês acham que vai acontecer? Respondo-lhes, as empresas e ONGs norte-americanas que na expectativa de lucrar no Brasil, bajularam o trumpismo através de lobby com os republicanos, não mais que suddenly virarão a casaca para os democratas e passarão a atender os interesses deles única e exclusivamente, para continuarem sugando as riquezas do Brasil sem perder as tetas e as mamatas do Estado americano, tais como a bufunfa de de senadores próximos a lobbystas e do Eximbank.

E ainda tem idiota para achar esse governo patriota, nacionalista ou fascista. É o mau e velho udenismo requentado como seu americanismo histórico como força-motriz.

União Européia, China e barganha empresarial.

No nosso primeiro texto sobre o acordo com a União Européia envolvendo o Mercosul, apontamos as razões geopolíticas para que tal acordo fosse fechado, e cada vez mais claro fica que as razões para o acordo ter sido feito a toque de caixa é basicamente afastar o Brasil e os países do Mercosul da China.

O segundo maior mercado para o qual o Brasil exporta é a União Européia, atrás apenas da China e à frente dos Estados Unidos. Que o o olavo-bolsonarismo quer afastar-se da China a todo e qualquer custo é já sabido, e desde o excelente texto do nosso colaborador Ricardo Carvalho isto está denunciado. O Brasil exportou quase 100 bilhões para a China em 2018, mais que o dobro da União Européia, dados do Ministério da Economia que podem ser baixados aqui. Porém, notícias dão conta de que o acordo com a União Européia pode fazer o Brasil exportar até 125 bilhões para a mesma em até 15 anos. 25% mais que para a China hoje.

Ao que tudo indica, este foi o meio que Ernesto Araújo conseguiu (como bom liberal-americanista que é), de cumprir sua agenda anti-nacional, oferecendo o mercado Europeu ao nosso setor produtivo, de modo a tornar indolor para a população e para nosso setor primário a entrada na guerra comercial americana contra a China. Em outras palavras, ao invés de termos UE + China, teremos basicamente UE – China. É uma hipótese, é claro. E é também estupidez. Mas para quem é um fanático americanista como Olavo, Araújo e seu séquito de bobalhões, me parece uma aposta válida.